terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Empresário é condenado a 68 anos de prisão por mandar matar padrinhos de casamento, na PB


O empresário Nelsivan Marques de Carvalho foi condenado a 68 anos de prisão por mandar matar o casal Washington Luiz Alves de Menezes e Lúcia Santana Pereira, que eram seus padrinhos justamente no dia do próprio casamento. O julgamento aconteceu nesta segunda-feira (9) no Tribunal do Júri de Campina Grande, após ter sido adiado em agosto de 2018.
Nelsivan foi condenado pelos crimes de homicídio qualificado e tentativa de homicídio cometidos contra o casal Washington Luiz Alves de Menezes e Lúcia Santana e o vigilante da casa de festas, que foi ferido a tiros, no local em que o crime aconteceu.
O crime aconteceu em março de 2014, em frente a um salão de festas no bairro do Catolé, em Campina Grande. Em 2016, a Justiça definiu que os seis réus envolvidos no duplo homicídio seriam julgados por júri popular. Nelsivan Marques de Carvalho está preso há seis anos à espera de julgamento.
Já Maria Gorete Alves Pereira, que foi acusada de envolvimento no duplo assassinato, foi absolvida. Ela também foi julgada nesta segunda-feira (9). Em depoimento, ela disse que convivia apenas com um dos homens envolvidos no caso, Gilmar Barreto da Silva, que foi condenado a 37 anos e quatro meses de prisão pelo crime. A ré afirmou ainda que não tem conhecimento dos atos do companheiro. Para a defesa da acusada, a ré não tem nenhum envolvimento no crime e há convicção da absolvição dela no caso.
Outro acusado de envolvimento no crime, Allef Sampaio dos Santos, também sentaria no banco dos réus, mas teve o júri adiado por não apresentar advogado.
De acordo com a promotoria, com base no inquérito da Polícia Civil, o crime se resume a uma única coisa: a ganância. Segundo o Ministério Público, Nelsivan teria encomendado a morte dos padrinhos para assumir o controle total de uma faculdade particular da cidade, que também era administrada pelo casal assassinado.

Nenhum comentário: