sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Governo de SP recebe ajuda do Exército para combater plano do PCC

No documento, são apontados 30 tipos de violações de direitos cometidos por militares das Forças Armadas: Governo de SP recebe ajuda do Exército para combater plano do PCC

A possibilidade de resgate de chefes do PCC de um presídio paulista com uso de um exército de mercenários levou o governo de São Paulo a solicitar apoio do Exército para enfrentar a facção criminosa.
O apoio foi confirmado à Folha de S.Paulo nesta quinta (1º) pelo Comando Militar do Sudeste que disse ter recebido a solicitação de apoio logístico da Secretaria de Segurança Pública, "o que foi prontamente atendido".
Segundo a Folha apurou, o Exército está apoiando com fuzis .50, além de treinamento de policiais para a utilização do armamento pesado. Esses fuzis são capazes de derrubar aeronaves.
O Exército também confirmou o recebimento do ofício do deputado federal e senador eleito Major Olímpio que traz detalhes do suposto plano de resgate de Marco Camacho, o Marcola, conforme reportagem da Folha desta quinta.
"As informações trazem que diversas forças paramilitares iranianas, nigerianas e membros das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) teriam sido contratadas para tal empreitada criminosa, o que foge das ações perpetradas por criminosos comuns", diz o ofício enviado parlamentar.
A Secretaria da Segurança Pública confirmou a solicitação de apoio às tropas da PM empregadas em Presidente Venceslau. " As medidas têm como objetivo garantir a segurança dos presos que estão em unidades prisionais, agentes públicos, assim como da população da região."
A possibilidade desse arrebatamento de presos levou a Justiça de Presidente Venceslau a interditar, desde o início do mês passado, o aeroporto da cidade. Na ocasião, o juiz demonstrou a dimensão do temor. "Há enorme preocupação com o aeroporto municipal, pois [fica] muito próximo ao estabelecimento prisional, permitindo logística para atuação de referida organização criminosa", diz despacho do juiz. "A medida se mostra absolutamente necessária, pois evitará problemática maior."

Nenhum comentário: