Entrelinhas “Um otimista vê uma oportunidade em cada dificuldade. Um pessimista vê uma dificuldade em cada oportunidade.”  Sir ...

COLUNA DO VALDECI JUNIOR

quarta-feira, janeiro 18, 2017 Marcelo Santa Cruz 0 Comentários


Entrelinhas

“Um otimista vê uma oportunidade em cada dificuldade. Um pessimista vê uma dificuldade em cada oportunidade.”


 Sir Winston Churchill


Um Deputado para chamar de nosso



O que se comenta em Brejo da Madre de Deus neste início de ano é a posse dos eleitos, o secretariado, quem deixou a câmara para assumir secretaria, os contemplados, os esquecidos e assim por diante, mas eu prefiro aguardar os próximos dias, deixar o pessoal trabalhar para podermos fazer as primeiras avaliações. De certo acredito no que os bons exemplos da administração nos mostram, que o gestor deve se cercar de pessoas que lhe tragam boas ideias, afinal são quatro as qualidades básicas que um bom colaborador (secretário) deve ter, deve saber trabalhar em equipe, atingir resultados (para isso deve ter objetivos traçados no início da gestão e avaliados e reavaliados ou longo de períodos determinados), ter liderança (afinal de não souber como conquistar as pessoas, o que está fazendo ali?) e fazer a diferença. Mas prefiro falar sobre o futuro, pois como dizia James Freeman Clarke, pastor e escritor nascido nos Estados Unidos da América, “Um político pensa na próxima eleição; um estadista, na próxima geração”.


Como nós somos meros seres políticos que refletimos sobre os atos de nossos políticos, Políticos (dois sim, um com letra maiúscula) e estadistas, temos que nos preocupar com a próxima eleição assim como os políticos, deixando para os Políticos e os Estadistas (se é que o Brasil tem algum) a preocupação com as próximas gerações. Porque o pensamento de muitos lembra uma frase que Zé Inácio me disse uma vez e que é a mais pura verdade, “Político só é político, quando tem um mandato.” 

Como o título diz acima, pretendemos falar sobre a importância de nosso município voltar a ter um representante na assembleia Legislativa Estadual, e por que isso é tão importante? Primeiramente, precisamos esclarecer qual a função e o papel desse político.   O Deputado estadual, de acordo com a Constituição brasileira de 1988, é o representante popular estadual, eleito pelo sistema proporcional para um mandato de 4 anos. Deputado Estadual é o nome dado ao agente político, enquanto o órgão correspondente é a Assembleia Legislativa Estadual, órgão superior do Poder Legislativo de cada Estado. Complicado? Para resumir, o Deputado Estadual é aquele político que faz as leis estaduais e fiscaliza o Governador. Dona Maria perguntou, “é um vereador maior?”, podemos dizer em certos termos que sim. Um Deputado Estadual está para um Governador, como um Vereador está para um Prefeito, só que numa proporção muito maior, pois um Deputado representa milhares de Pernambucanos (as) e cidades também, enquanto o vereador representa uma parcela da população de um município.

Compete aos deputados estaduais a função de legislar, no campo das competências legislativas do Estado, definidas pela Constituição Federal, inclusive podendo propor, emendar, alterar, revogar e derrogar lei estaduais, julgar anualmente as contas prestadas pelo Governador do Estado, além de outras competências estabelecidas na Constituição Federal e na Constituição Estadual e propondo através de projetos de lei entre outros requerimentos melhorias para os municípios do estado. É nesse ponto que ele se torna importante, não que os outros Deputados Estaduais que foram votados aqui não se esforçaram em conseguir algo para o município, e podemos citar muitos, mas o Deputado quando é de outa cidade, vai dar prioridade ao município onde ele mora, é uma questão de lógica.

Resultado de imagem para wilson campos deputado
Nossa cidade já teve representante na Câmara Alta, quando Wilson Campos (Foto ao lado) foi Senador, eleito que foi em 1970, e depois eleito para Câmara Federal, onde ocupou a vaga de Deputado Federal por 6 mandados consecutivos, sendo o último em 1994. Os últimos a ocuparem uma cadeira na Casa Joaquim Nabuco foram Zé Inácio e Paulo Mendonça, dois ícones a política local que conseguiram se eleger nos anos 1960 e 1970, mas já se passaram quase 50 anos sem um representante da cidade na ALEPE. A realidade precisa mudar e por dois fatores. Primeiro por uma questão pessoal, e eu não estou falando de desejo pessoal, mas de uma obrigação, Dr Edson recebeu recentemente o título de “Prefeito que mais Trabalhou por Brejo da Madre de Deus”, o qual eu não duvido e endosso, porém, para ser celebrado como o maior político da história de nossa cidade ele precisa de um mandato a nível estadual e quiçá federal, por que não? E outra por uma questão de nossa cidade recuperar a importância política que teve no passado.

Resultado de imagem para dr. Edson Sousa brejo
Condições a nível de currículo para pleitear uma vaga no legislativo federal Dr. Edson tem, é um técnico renomado na saúde, um militante, e já ocupou inúmeros cargos importantes no cenário estadual e até no Ministério da Saúde. Faltariam as condições políticas (ingressar num partido que lhe dê as condições de se eleger por uma coligação onde exija-se poucos votos, as alianças que podem ser feitas em outras cidades e um apadrinhamento político forte com candidato a Governador e Senador). É uma missão hoje, muito difícil de se eleger para a Câmara Federal, sem falar na concorrência, no último levantamento feito, verifiquei pelo menos 40 nomes com potencial para chegar à Brasília, sem falar nos atuais 25 Congressistas que devem tentar a reeleição.
Mas quando olhamos a concorrência para a Assembleia o cenário muda. Dr. Edson fez um grande governo, e mesmo sendo alijado forçosamente, de parte de seu segundo mandato, conseguiu imprimir uma marca se destacando como uma das principais referências da região, e ao eleger Hilário como seu sucessor, mostrou força, sendo cobiçado por vários partidos para se lançar a deputado. Lembremos que em todas as suas eleições, considerando a eleição de 2016, não menos que 16 partidos estiveram aliados ao seu projeto e qualquer um deles estaria disposto a dar–lhe guarita nesta disputa. Portanto, se as condições iniciais servem tanto para uma disputa federal quanto estadual, na disputa estadual as condições políticas estão presentes, pois o apelo local lhe garantirá uma grande votação em Brejo da Madre de Deus que seriam somados a pingos em diversas cidades do Estado por onde ele trabalhou. Onde tiver um Brejense, teríamos votos, isso é fato, pois num momento como este o bem do município falaria mais alto. Quem deixaria de votar num deputado do lugar para votar numa pessoa de fora?

Mas ainda faltam 1 ano e 6 meses par a disputa começar e tudo que ocorrer neste ano de 2017 será decisivo para as eleições de 2018.

Valdeci Ferreira Junior é professor Universitário, Professor das redes Municipal de Brejo da Madre de Deus e da rede Estadual de Ensino, Acadêmico do Curso de Direito da Unifavip e analista político. 

             

0 comentários: